Contratempos

Eu sinto que amadureci nesses últimos meses, que ultrapassei os muros que construí na minha mente para me poupar de ter que lidar com certas situações que aconteciam na minha vida, e isso me fez querer escrever, pra me dar o impulso que faltava. Minha mãe provavelmente vai ler isso depois, e talvez ela fique surpresa por eu querer me abrir aqui, já que eu não falo disso com as pessoas e tem coisas que eu inclusive nunca disse pra ela, mas eu sinto que eu preciso esclarecer as coisas pra mim mesma, antes de virar definitivamente essa pagina.

Eu nunca tive uma boa relação com o meu pai, na verdade eu nunca tive qualquer relação com o meu pai, ele nunca foi presente e nunca se preocupou com isso. Pra ele, mandar a mãe dele ligar no natal e no meu aniversario perguntando o que eu queria de presente, era ser pai. E quando eu era menor, eu me contentava com isso, mas conforme eu crescia e via que todas as minhas amigas tinham experiências com os pais, eles levavam e buscavam elas na escola, eles saiam, que eles tinham o típico ciúme de pai,  eu comecei a me perguntar por que a única coisa que eu recebia do meu, eram duas ligações por ano?

Eu demorei muito pra me conformar que eu não teria aquela família de comercial de margarina, que minha mãe não ia casar com o meu pai, ter outros filhos e ser feliz pra sempre. E durante um tempo, eu tive magoa da minha mãe, porque na minha cabeça não entrava que tinha sido uma escolha dele e que era culpa dele, quanto mais histórias eu ouvia, mais eu pensava que de alguma forma aquilo era culpa dela, e não era. Nunca foi. Mas eu precisei crescer, amadurecer, e aprender a ver as coisas como elas são e não como eu queria que elas fossem, para entender. Tudo na vida acontece com um propósito e um destino.  Foi preciso eu ficar sem  meu pai, para ser quem eu sou hoje, para ter a conexão que eu tenho com os meus avós e com minha mãe, para eu ter a vida que eu tenho. Era isso que Deus tinha guardado pra mim, e eu agradeço. Ele não poderia ter feito melhor. Eu sofri? Sim, eu sentia falta do meu pai. Doía ver todo mundo com os pais, e saber que eu não teria aquilo. Ano passado, uma das minhas amigas teve uma festa de 15 anos surpresa, e o pai dela – que ela também não é muito ligada – foi, e quando fez o discurso pra ela, eu chorei. Não pelo momento – Desculpa Maria! – mas sim porque era o que eu queria ouvir do meu pai, mas que eu tinha total consciência de que não ia acontecer.

Quando ele teve outra filha, no começo eu não aceitava muito bem, mesmo não tendo contato e sabendo que não era da minha conta, eu não aceitava. Eu não queria uma meia-irmã. E hoje, tendo a mente que eu tenho, eu vejo que ela é a mais vitima de toda a história, ela não tem culpa nenhuma. Ele quis criar uma nova família, e eu já tenho a minha. Eu não preciso me remoer por ele, eu não preciso achar pessoas pra jogar a culpa de tudo o que aconteceu  porque eu não preciso disso. Do fundo do meu coração, eu desejo que as coisas deem certo pra eles, igual dão certo pra mim. Que eles sejam felizes, igual eu sou. Porque independente do que aconteceu, ou do que ainda vai acontecer, eu sei quem é a minha família. Eu sei por quem vale a pena lutar.

Agradeço a Deus por ter colocado esses contratempos na minha vida, porque eu sei que nada seria como é se tivesse tido um começo diferente. É preciso ser infeliz de vez em quando pra ser natural, pra dar certo.

Com amor,

Eduarda

 

 

Anúncios

4 comentários em “Contratempos

  1. Olá Eduarda!
    Todo mundo sonha em ter uma família de comercial de margarina,mas nem toda realidade e assim ,tenho pais separados tbm sei bem como é quase não o vejo ,mas enfim não guardo mágoas ,foi uma decisão deles e eu apenas tive q aceitar .
    Meu pai nunca me procurou ,e sempre tive esse pensamento : já q ele não me liga não me procura eu q tbm não vou atrás , bom meu pensamento estava errado eu não poderia está agindo da mesma forma q ele , cheguei até passar no psicólogo rs não sou loka kkk
    Mas eu tinha q agir diferente ,tentar um contato c ele ,Ah ele tbm tem uma nova família !
    E fui atrás dxei meu orgulho d lado e segui as instruções do meu psicólogo ,pq aquilo não estava me fazendo bem ,guardar aquela magoa .
    Então tentei contato c ele ,vc sabe q quando a gent quer a gent consegue ,arrumei o telefone dele e liguei meu coração só faltou sair pela boca menina kk mas tive uma surpresa ele me tratou bem faio cmgo ,sendo q eu nem sabia o q falar kkk e marcamos d almoçar ,me senti corajosa pq não queria ter aquela situação p resto da vida entao eu teria q tomar partido .
    Não me arrependo pq hj Temos uma relacao bem legal eu conheço a familia dele mesmo a minha Mae n sendo muito a favor 😒 .
    Mas e isso elimina o q não te faz bem ,tenta uma boa relação c ele ,vc vai viver melhor tirando esse peso do seu coração 💕 bjs espero te ajudado. .

    Ana Carolina Sonaly

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Ana! Fico muito feliz que sua relação com o seu pai tenha melhorado, é sempre muito bom quando temos a oportunidade de restabelecer laços familiares. Minha história com o meu pai sempre foi assim, e demorou um tempão para eu me acostumar, mas hoje não me incomoda tanto. Não é por orgulho, mas sim porque eu realmente aceitei que essa é a minha realidade, e que eu gosto dela assim. Eu e minha família com o nosso amor, e ele com a família dele vivendo a vida deles. Claro que de vez em quando dá aquela curiosidade de saber como seria ter ele por perto, mas eu sei que nada que ele possa fazer, vai mudar o fato de que ele não vale a pena.
      Adorei receber seu comentário! Além de ter me ajudado, foi a primeira interação de uma das leitoras, muito obrigada!!
      Beijos.
      Eduarda

      Curtir

  2. Bacana vc desbafar assim , nao e bom guardar coias q nao nos faz bem.
    tbm nao tinha contato c meu , teve um certo momento q dei um basta nessa situaçao e entrei em conato c ele .
    Hoje tenho uma boa relacao c ele , se te faz mal ficar assim ,toma iniciativa e vai atras dele isso nao e vergonha , vai te fazer bem !
    Abraços .

    Francine Louise .

    Curtido por 1 pessoa

    1. Olá Francine! Fico feliz que sua relação com o seu pai tenha dado certo, que os laços entre vocês cresçam cada vez mais! Eu acabei me conformando com o fato da minha relação com o meu pai ser assim, então nunca tentei muda-la. E hoje, sabendo de tudo o que sei, vejo que nem vale a pena.
      Muito obrigada pelo seu comentário, além de me ajudar, foi uma das primeiras interações das leitoras!
      Beijos.
      Eduarda

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s